JOSÉ CARLOS SANTOS

Uma paisagem abundante de ribeirinhos de água transparente, curiosidades vegetais e faunísticas e incríveis formações geológicas tão surpreendentes que não parecem reais e põem à prova a nossa imaginação. Assim se pinta esta caminhada no maciço rochoso da Nave, com início e fim na Fonte Santa, na aldeia de Pêra Velha.

Num passeio cheio de surpresas, a meio desta trovoada de penedos, como lhe chamou Aquilino Ribeiro, uma estreita passagem leva-nos ao topo dos rochedos dos Santos Idos. Utilizando as palavras do padre Bento da Guia: “Lá em cima naturalmente nos sentimos bem… sentimo-nos livres no silêncio daquelas pedras caladas para a curiosidade quase desesperada de conhecer o mistério que temos debaixo dos pés: altar de deuses ou capricho quase inteligente da água e dos ventos?! Ao afastarmo-nos, trazemos a inquieta perturbação da História do Homem: demasiado perfeito para ser fruto do acaso; insuficientemente perfeito para nos dar a certeza de que foi aqui o primeiro lugar de culto na Serra. O corpo, talvez cansado; mas o espírito dilatado na distância diáfana e mística do mistério profundo que é o Homem da Nave.”

Percurso: 5 km | Grau de Dificuldade: Baixo | Duração: 2 horas

Licenciado em História, na variante de Arqueologia, José Carlos Santos é um investigador incansável das raízes históricas do concelho de Moimenta da Beira. Interessado pelas antigas vias de comunicação, tem-se dedicado ao estudo dos menires, marcos miliários e pontes da região. Entusiasta da história e do património arqueológico que cobre todo o Planalto da Nave e não só, o gosto pela pedra reparte-o ainda pela escultura e artesanato.

30 de agosto
18h30

Meeting Point

Praça Comandante José Requeijo