08.07

15h

Praça Comandante José Requeijo
PRÁTICAS ARTÍSTICAS - AS COMUNIDADES, O TERRITÓRIO E A INCLUSÃO

Magda Henriques conversa com Ana Oliveira,
Henrique Amoedo e Paulo Pires do Vale

CONVERSA

É cada vez mais reconhecido o papel que as artes desempenham nos processos de inclusão social de grupos socialmente desfavorecidos.

Cruzando e refletindo as experiências pessoais, profissionais e académicas dos intervenientes, olham-se os seus percursos para abrir pontes de reflexão e pensamento crítico sobre os impactos e as mais valias que projetos de natureza participativa imprimem na redefinição dos territórios e das próprias dinâmicas comunitárias.

Que papel podem e devem ter os festivais e os projetos culturais na mediação entre comunidades, escolas, instituições, organismos e associações culturais, sociais e recreativas? 

Acreditando no envolvimento e na participação como processos de mediação e interlocução, observam-se também os lugares da acessibilidade e da inclusão com a dimensão e profundidade que lhes são devidas, no sentido de explorar as potencialidades das artes performativas e das práticas artísticas nos processos de inclusão social e de combate à marginalização e exclusão social

Biografia:

Magda HenriquesLicenciada em História, variante de Arte, pela Universidade do Porto, tem desenvolvido programas destinados aos públicos adolescente e adulto, em colaboração com várias instituições e festivais, em diferentes zonas do país. Criou, programou e coordenou o Serviço de Exposições e o Serviço Educativo de A Moagem, no Fundão. Foi responsável pelo Programa de Atividades Educativas da Associação Circular, em Vila do Conde, e foi programadora do Projeto Educativo do Círculo de Artes Plásticas de Coimbra e da Bienal Ano Zero. Atualmente assume a direção artística das Comédias do Minho, um projeto cultural implementado em cinco municípios do Alto Minho.

Ana OliveiraDoutorada em Serviço Social pela Universidade Católica Portuguesa, é coordenadora do Mestrado em Serviço Social, da Pós-Graduação de Avaliação em Programas e Projetos Sociais, da Pós-Graduação em Práticas Artísticas e Inclusão Social e da Pós-Graduação em Gestão de Projetos em Cooperação para o Desenvolvimento. Investigadora nas áreas da inovação social e intervenção social e da mediação social e intercultural, é ainda consultora nas áreas do planeamento, gestão, avaliação de programas e projetos e planeamento estratégico territorial.

Henrique AmoedoNasceu em São Paulo. A Dança e a Inclusão formaram, desde sempre, as linhas mestras dos seus trabalhos que acontecem do âmbito educativo ao artístico, passando pelo apoio terapêutico. Criou e dirige o Grupo Dançando com a Diferença, sediado na ilha da Madeira, que promove diferentes iniciativas no âmbito da inclusão através das artes. É, atualmente, Diretor Artístico do Teatro Viriato, em Viseu.

Paulo Pires do ValeDocente, ensaísta e curador, é licenciado e mestre em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa. No seu percurso, lecionou em diversas universidades e foi Presidente da Associação Internacional de Críticos de Artes. Atualmente, é Comissário do Plano Nacional das Artes, uma iniciativa do Ministério da Cultura e do Ministério da Educação com a missão de aproximar as artes, o património e a cultura da vida dos cidadãos, em particular das crianças e dos jovens.