04.-09.07

09h - 19h

LARGO DO TABOLADO
GUSTAVO CIRÍACO, JOÃO GONÇALO LOPES
& JOÃO SALDANHA

Paisagem Boldo

INSTALAÇÃO

Ⓒ João Peixoto

Durante a infância, no Rio de Janeiro dos anos 60, o coreógrafo João Saldanha viveu o sonho da arquitetura modernista brasileira de unir o indómito da natureza do Brasil às abstrações do plano pensado. A permeabilidade da arquitetura aos peões, a relação variada com a incidência solar, a fruição vernacular dos materiais e dos recursos locais conjugam-se no desejo utópico de um novo mundo tornado espaço de convivência por arquitetos como Lúcio Costa, Oscar Niemeyer e Lina Bo Bardi. Nas suas tardes, no bairro carioca do Leblon, João aventurava-se com a sua bicicleta em toda uma série de edifícios construídos sob essa influência. As rampas, os pilares, os jardins sinuosos, os livres acessos e planos suspensos tornaram-se nos seus territórios infantis de descoberta, onde o volume, a velocidade, as distâncias e os enquadramentos eram acessíveis pelo seu corpo educando os sentidos.

Paisagem Boldo resgata essa experiência cinética que moldou a poética espacial do coreógrafo carioca, ocupado com o peso do corpo, o volume do movimento, o atravessamento do espaço, e trá-la de volta para o mergulho num passeio de bicicleta, onde os pilares, os cobogós, as rampas, os planos livres e suspensos, as texturas do paisagismo moderno ressurgem na paisagem construída de um circuito sensorial.

Biografia:

Gustavo CiríacoCoreógrafo e artista transdisciplinar, Gustavo Ciríaco transita entre a dança e as artes visuais, passando por projetos expositivos e intervenções onde a experiência é o motor da partilha com o público. Com um caráter site-specific, as suas obras fomentam o diálogo entre contexto e arquitetura, geografia e habitação, realidade e ficção, numa pesquisa contínua sobre os campos extensivos da arte de fazer danças. 

João Gonçalo Lopes: Formado em Arquitetura pela Universidade de Coimbra e pela Escuela Técnica de Arquitectura de Madrid. Trabalhou em reconhecidos estúdios de arquitetura em Tóquio, Shanghai e Londres. Na sua prática pessoal desenvolve projetos onde se cruzam as áreas da arquitetura, do urbanismo, da arte, da construção e da educação.

João Saldanha: Coreógrafo e fundou, no final da década de 1980, o Atelier de Coreografia, uma companhia cuja história se mistura com o próprio percurso da dança contemporânea carioca e brasileira. Com um trabalho caracterizado pela fluência do movimento, as suas coreografias lembram um eterno passeio cinético, influenciadas pela rica composição espacial remanescente das linhas e tensões da arquitetura de Oscar Niemeyer, em diálogo com a irregularidade e os padrões abruptos da geografia do Rio de Janeiro, sua cidade natal.



Ficha técnica:

CONCEÇÃO E DIREÇÃO ARTÍSTICA | Gustavo Ciríaco
PROJETO ARQUITETÓNICO E COLABORAÇÃO ARTÍSTICA | João Gonçalo Lopes
ARTISTA CONVIDADO | João Saldanha
CONSTRUÇÃO E CONCEÇÃO DE MONTAGEM | Patrick Hubmann e João Gonçalo Lopes
ASSISTENTES DE CONSTRUÇÃO E MONTAGEM – PORTO | Kerstin Reyer, Pedro Costa, Sophie Netzer, Ruben Meireles e Mila Hubmann
ADMINISTRAÇÃO E GESTÃO FINANCEIRA | Missanga Antunes | Efémera Colecção – Associação Cultural
DIREÇÃO DE PRODUÇÃO | Sinara Suzin
COPRODUÇÃO | Fundição Progresso, Teatro Municipal do Porto / DDD – Festival Dias da Dança
APOIO INSTITUCIONAL | THIRD – Dance and Theatre Academy – Amsterdam University of the Arts
RESIDÊNCIAS ARTÍSTICAS | DEVIR – Centro de Artes Performativas do Algarve, Pico do Refúgio, Arquipélago – Centro de Artes Contemporâneas, 23 Milhas/Fábrica de Ideias, Espaço Novo Negócio/ZDB
APOIO FINANCEIRO | República Portuguesa – Cultura / Direção-Geral das Artes